Gozada no chuveiro

O cara chega em casa podre de cansado depois daquele dia, mas com um baita tesão. Estava sem trepar e gozar fazia longos 5 dias. Precisa aliviar tudo aquilo. Ainda tentei em alguns apps, mas não rolou. Bom, fumei um antes de dormir para relaxar e resolvi tomei meu banho. Embaixo do chuveiro comecei a viajar no meu pau, acariciando ele e procurando algo na minha memória para me excitar. Lembrei da minha adolescência, quando fazia muito isso. E no meio de lembranças de tantas trepadas e situações de muito tesão foi que lembrei do dia q eu fui dar uma volta no parque e encontrei meu ex namorado, dando pra dois caras. Que tesão que eu fiquei aquele dia. E hoje também. Meu ele dando pra um e chupando o outro, e eu ali só assistindo e ouvindo ele gemer no pau do cara. Porra de caralho! Depois os caras trocaram a posição. Até ambos gozarem. Ta certo que não deu certo nossa historia, por motivos que hoje nem cabe lembrar, mas que o cara sabe foder um pau, isso ele sabe. Eu comia aquele cu com muito prazer, quase todo dia, quanto estávamos juntos. Bom no dia que vi essa cena, eu gozei só assistindo. E hoje embaixo do chuveiro lembrando da situação gozei mais uma vez, gozei muito, gozei grosso. Foi muito bom. Q tesão! Q gozada! Fazia muito tempo que não batia uma tomando banho. E chapado então, nunca.

Trepada no banheiro da Usina

Dia pra lá de chuvoso em Porto Alegre, e o tesão batendo logo pela manhã. Três dias sem trepar, e dois sem gozar. O cara já fica nervoso, precisando descarregar toda aquela energia acumulada. Mesmo antes de me alimentar, já estava no D4 procurando alguma parceira. Encontrei um garoto, que eu havia adiciona ao meu perfil, na última vez que estive no site. Bonito, com um corpo igualmente bonito e uma bunda de deixar qualquer pau babando. Trocamos telefone e já no Whatsapp fiquei de pau duro quando o garoto falou que curtia bare. Marcamos na Usina do Gasômetro. Sem local improvisamos. Trepamos no banheiro. Antes disso, já havíamos nos pegados em um dos corredores escuros de lá. Meu pau queria sair pra fora, tamanha a vontade que eu estava daquela bunda. O garoto, meio quieto, na dele, de poucas falas, mas de ações precisas. Depois de algumas voltas e nada de encontrar um lugar adequado, fomos ao banheiro. Lá, encontramos outros dois caras afim de uma putaria. Um deles entrou conosco na cabine. O garoto, que ficou impressionado com o tamanho do meu pau, não se fez e caiu de boca nele, com muita vontade. Que boca quente caralho. Aquela mistura de prazer e medo tava rolando ali entre os dois. Tanto que logo em seguida, parti pra dentro dele. E quando vi aquela bunda, fiquei mais louco. Pequena mais perfeita. Redonda e empinada pra mim. E começamos de leve, pois o garoto reclamava de dor, incomodo. E o tesão cada vez maior, não via a hora de poder colocar todo meu pau dentro dele. Enquanto eu comia de leve o garoto, o outro cara, se masturbava do nossa lado, com a mão na minha bunda. Por um momento achei que ia rolar um trenzinho. Mas não passou disso. O cara estava com tesão em ver eu comendo o garoto. E assim ficamos. Curto muito quando tem alguém observando e participando, mesmo que indiretamente da trepada. Não pude me estender comendo aquele cu, por causa do lugar e dos guardas. Não demorou muito gozei dentro dele. Que tesão! A vontade era de comer ele mais. Sério, eu tava com muito tesão. Ainda fiquei de pau duro depois de gozar.

Tarde chuvosa com muito leite no parque

Quando o cara tá com tesão, não tem tempo ruim para trepar. Hoje aqui em Porto Alegre faz frio e chove. Últimos dias de inverso, um sábado e eu acordei com aquele tesão. O cara abre todos os apps e sites possíveis e nada. Resolvi então ir até a Redenção, pra fumar um e quem sabe encontrar algum disposto a gozar comigo. E lá achei dois, ambos com latas de cerveja nas mãos. Um inclusive eu já conhecia, de outros história ali mesmo. E desta vez, eu não abri mão da participação dele. Inclusive o cara tá um gato de barba. Branco e baixinho. O outro, era pauzudo, inclusive mais alto, meio negro, meio índio e ambos levemente alcoolizados. Já tinha passado das 5 da tarde, foi quando cheguei até eles. Não demorou muito para eu ouvir a mágica da boca do pauzudo: CHUPA! Cai logo de boca naquele pau. Que vontade eu tava. Depois foi a vez do baixinho, com um pau também bom. Porem meu tesão era outro. Era de dar, de levar no cu, até tirar leite do pau do cara. Demais de alguns minutos revezando entre um pau e outro, ou com os dois na boca, o pauzudo resolveu socar pra dentro de mim. Não teve como negar, depois que esfreguei minha bunda nele. O cara pegou aquele pau e socou sem dó no um cu. Cara que dor. Mas não aguentei, mesmo com dor, pedi para ele colocar devagar. O cara insistia em socar com força. Foi então que relaxei e deixei ele entrar com tudo. Enquanto o pauzudo socava meu rabo, o baixinho socava minha boca. Que tesão foi aquele, com o dia claro, nos meio das arvores da Redenção. Algumas pessoas passavam e muitas nem notaram, eu ali entre dois caras, de quatro, dando para um e chupando o outro. Fomos nesse embalo até que o pauzudo perguntou se eu queria leite no cu. Porra do caralho, era o que eu mais queria. Ser leitado! Os dois ainda se beijaram enquanto rolava toda a pautaria. O pauzudo gozou muito dentro de mim, e o baixinho na minha boca. Que leitada dos dois. O pauzudo ainda socou mais um pouco até eu gozar com o pau dele dentro de mim. Mais uma trepada pra contas das mais de 2015. Sai do parque satisfeito, com o cu vazando porra e com aquele gosto de leite na boca.

* LEMBRE-SE: faça sexo seguro, use camisinha.