Comi um urso

Mais um cara do Grindr. O negócio bom esse hein. Desta vez peguei um urso. E bem bonito por sinal. Até ele abrir aquele cu pra mim. Depois eu explico. Vamos partir do começo. Estava eu em casa no domingo, sabendo que o mundo ia desabar em água, e nervoso porque não ia dar para caçar no parque e gozar gostoso como tenho feito todos os dias, ou quase todos. Eis que surge o tal no app. Já havíamos trocado uma ideia antes, mas a oportunidade do real só surgiu naquele fim de tarde. E lá fui eu, cheio de tesão para conquistar mais um cu. Como disse anteriormente, ele era bonito. Olhos claros, meio ruivo. Peludo, e fofo. Bem urso mesmo. Começou me beijando. É isso mesmo, ele me beijou. Tem caras que curtem beijos e não somente a transa. Como eu estava de bom humor, retribui. Cá entre nós, beijo envolve outras coisas, sentimentos por exemplo. Não gosto de misturar as coisas. Voltando ao assunto, a sim, o cu. Nunca tinha vista um cu tão florido. Isso mesmo, cheio de bolas. Confesso que fiquei com nojo, mas já que estava ali e muito afim de gozar, fui fazer o serviço. Comi o pobre urso do cu florido. E com preservativo. Vai saber né? O cara gostou muito da minha performance, tanto que me convidou para participar de uma suruba, qualquer dia desses em sua casa. E lá se foi mais um cu satisfeito.

Mudando de ares

Na quinta passada resolvi trocar de ares, fui caçar em outro parque, mas precisamente no Parcão. Outro nível como diz uma amiga. E ela tem razão, o parque fica localizado em um dos bairros mais caros e chiques de Porto Alegre, consequentemente, seus frequentadores, em sua maioria são bem interessantes. Interessante para mim quer dizer corpo. E é isso que fui procurar. Mal havia entrado no parque encontrei um muito bonito, de corpo e rosto. Melhor de tudo, não parecia gay. Pensei eu: “me dei.” Pena que não rolou. O cara estava muito cabreiro com o ambiente, e com as pessoas que teimavam passar perto de nós. Notei que ele não tinha experiência quando o assunto era caçar em parques públicos, coisa que sou especialista. Pena mesmo. Mas não me desanimei, pois a noite só estava começando. Mudei de lado. O parque é dividido por uma avenida. Na época que eu costumava caçar por lá, a melhor parte era no lado leste, onde fica a escola, mas os tempos mudaram e a pegação é melhor agora no lado oeste, onde fica o lago e o moinho. E estava forte a função, inclusive acabei encontrando gente conhecida. Um cara e seu companheiro, um urso e uma barbie, e mais uns 10 caras só num arreto. Não poderia ser melhor, entrei no meio da função. Claro que tinha um e outro que destoavam do grupo, mas no resto estava bem, aquém das minhas expectativas. Tinha inclusive um cara lá que ficou louco para me comer. Como disse anteriormente, não estou por ser passivo, pelo menos por enquanto. E a função não passou muito disso, da chupação e esfregação. Nada de penetração. Cansei um pouco dessa brincadeira, e sai atrás de um cu. Era o que mais tinha. E quando um cara, bem estranho por sinal, veio me chupar, não é que aparece um loiro, fortinho, resolveu chupar meu peito. Me ganhou. Tenho um baita tesão no peito. E o cara sabia fazer. Ele conseguiu que eu saísse dali, deixasse o outro lá e fosse atrás dele. E fomos pra o outro lado do parque onde ele me chupou, chupou meu peito e deu aquela bunda linda pra mim. Bem grande, branca, como eu gosto. Esse contraste entre o meu pau preto e a bunda branca dele, me deixou louco. O cara era muito safado, e resolveu liberar aquele cuzinho apertadinho, no pelo. Não preciso dizer q curto esse tipo de brincadeira. Comi ele até os dois gozarem. Foi muito louco, pois no lado que ficamos dava pra ver a rua, e o movimento dos bares e carros. Ninguém notou nossa presença, mas nos observamos todo o movimento de fora.

* LEMBRE-SE: faça sexo seguro, use caminha.